SETOR DE CULTURA - O FOGO SIMBÓLICO DA PÁTRIA


Prefeito de Águas Mornas, Paul Esser e de Santo Amaro da Imperatriz, Clemente Tiago Diniz, em cerimônia de passagem do Fogo Simbólico pela região.

        Em 1937, um grupo de patriotas, no Rio Grande do Sul, procurava um símbolo que bem representasse o calor patriótico do povo brasileiro. Surgiu a idéia do fogo, companheiro do homem desde a pré-história e que, nos tempos modernos passou a ser cultuado durante as Olimpíadas. Aprovada a idéia, foi decidido que o símbolo receberia a denominação de Fogo Simbólico da Pátria e que deveria percorrer o Território Nacional, em peregrinação cívica. A idéia veio ao conhecimento da Liga da Defesa Nacional, entidade que então havia completado 21 anos de dedicação às causas cívico-patrióticas, que se juntou aos idealizadores e criou a Corrida do Fogo Simbólico da Pátria, evento que em 1938 foi realizado pela primeira vez, num pequeno percurso de 26 quilômetros, entre as cidades gaúchas de VIAMÃO e PORTO ALEGRE. Os passos seguintes, nos anos que se sucederam, fizeram com que o Fogo Simbólico chegasse a percorrer 11.000 quilômetros do nosso Território e, em 1945, viesse a sair do Cemitério de Pistoia, na Itália, onde se achavam sepultados os nossos combatentes mortos na 2ª Guerra Mundial, para vir de avião até Natal e de lá percorrer 6.000 km, passando pelo Rio de Janeiro e indo até Porto Alegre. Em 1972, durante as comemorações do sesquicentenário da nossa Independência, partiram quatro Chamas dos quatro pontos extremos do Brasil, em rotas distintas, para se fundirem numa só Chama Sagrada, no dia 7 de Setembro, no Monumento do Ipiranga, em São Paulo, histórico local do Grito da Independência. Por força das limitações financeiras e de questões maiores de segurança para os atletas, a Corrida do Fogo Simbólico da Pátria passou a ser realizada, na maioria dos Estados, em âmbito municipal. No Rio de Janeiro, berço da LIGA DA DEFESA NACIONAL, o Fogo Simbólico origina-se no Monumento aos Mortos da 2ª Guerra e percorre os bairros da antiga Capital Federal. Apenas no Rio Grande do Sul, fiel a sua origem, o Fogo Simbólico continuou percorrendo todos os municípios gaúchos, numa manifestação cívica sem precedentes. Em Santa Catarina, no Paraná, no Ceará, no Piauí, no Maranhão e no Amazonas, onde a LIGA está representada, ressurge a idéia da interiorização e a cada ano vem crescendo o número de municípios que aderem à cerimônia do Fogo Simbólico da Pátria. À proporção que forem reativadas as Diretorias Estaduais da Liga da Defesa Nacional e com o envolvimento dos Governos Estaduais, a cerimônia do Fogo Simbólico voltará a ter presença em todo o Território Nacional.